Perfil

Ricardo Sodré Andrade é Bacharel em Arquivologia (2007) e Mestre em Ciência da Informação (2010) pela Universidade Federal da Bahia. Iniciou o doutorado em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais pela UPorto e UAveiro (2013).

Na graduação, estudou a gestão documental e gestão da informação, dando atenção especial ao gerenciamento de informações de valor administrativo, jurídico ou histórico em meio digital e tratamento acervos documentais de valor histórico.

Atuou como estagiário no Laboratório de Aplicação de Software Livre nas Organizações (Laslo/Faculdade de Tecnologias Empresariais), na Fundação Clemente Mariani e no Arquivo Histórico Municipal de Salvador.

Atuou como Bolsista de Iniciação Científica pelo PIBIC/CNPq por cerca de três anos e assumiu os cargos de Presidente do Diretório Acadêmico de Arquivologia e Representante Discente no Colegiado de Arquivologia da UFBA.

Exerceu a função de Assessor de Tecnologia do Arquivo Público da Bahia (Fundação Pedro Calmon), assumindo a responsabilidade pela Seção Informática desta instituição até setembro de 2009.

Desde fevereiro de 2010 é arquivista concursado da Universidade Federal da Bahia.

Foi selecionado para o Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Bahia, iniciando o curso de mestrado como aluno regular em 2008. A defesa ocorreu em maio de 2010.

Doutorando em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais, curso lecionado em conjunto pela Universidade do Porto e Universidade de Aveiro, Portugal.

Possui competências em desenvolvimento de plataformas digitais de informação e comunicação na web, participando da construção e desenvolvimento de plataformas como:

Atualmente está envolvido em plataformas de informação e comunicação para

  • Gestão de obras
  • Gestão de gabinete político
  • Plataformas de pagamento com criptomoedas
  • Litecoin Foundation (voluntariado)

Na pesquisa científica, investiga ou investigou temas como preservação digital da informação arquivística, formação e competências dos profissionais da informação, análise de portais governamentais municipais e inclusão digital, representação da informação arquivística, media participativos/web social, cooperação técnica entre instituições arquivísticas públicas e blockchain.

Profissional, cientista e cidadão em formação contínua.

Quase muita coisa