Programando o doutorado

Fazer o doutorado provavelmente será a próxima etapa da formação acadêmica. Aproveitar a bagagem do que foi feito e subir mais alguns degraus é o único caminho a seguir depois do mestrado. Claro, há também a opção de parar e se contentar com o que já se tem, mas isso está descartado.

Após o ingresso na UFBA como servidor (vai fazer um ano!) tenho algumas vantagens e desvantagens que devo considerar no planejamento para cursar o doutorado.

A UFBA paga mais do que as bolsas CAPES e CNPq, fora os itens como previdência, férias, vale-alimentação… Por outro lado, há contrapartidas à instituição caso eu venha a pedir licença remunerada, como a obrigatoriedade do retorno quando o doutorado findar.

Meu atual local de trabalho na UFBA me permite sair, atravessar uma rua e entrar no prédio onde as aulas do doutorado ocorrem. Por outro lado, minha rotina será mais apertada, algumas idéias do campo pessoal terão que ser adiadas…

Fazer mestrado e doutorado se traduz em escolhas difíceis para muitas pessoas, eu acho que já me acostumei a esses dilemas da academia. Acho interessante quando ouço preocupações relativas a pedir demissão para viabilizar o mestrado. São escolhas que temos que fazer e muitas vezes o preço se apresenta caro demais.

Sabendo que elas existem, talvez não todas identificadas, me pergunto: quais escolhas mais um candidato a doutorado deve considerar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *